YouTube lança métrica RPM para criadores entenderem quanto estão faturando

Os criadores de conteúdo do YouTube receberam uma nova métrica para entenderem melhor quanto estão faturando na plataforma de vídeos. A receita por milhar (RPM), um termo bastante comum no mercado de mídia, se soma ao já existente custo por mil impressões (CPM) e pode ajudar a compreender a eficácia da rentabilização do canal.

Os dois nomes são parecidos, mas têm significados diferentes. O custo por mil impressões (CPM) foi a métrica padrão do YouTube nos últimos anos: ele sinaliza quanto um canal está rendendo a cada mil visualizações de anúncios. Mas há dois detalhes: o valor não desconta a comissão que o YouTube recebe e só considera as propagandas, não a receita por meio de assinaturas ou doações, por exemplo.

Já a receita por milhar (RPM), nas palavras do YouTube, “é uma métrica que representa quanto dinheiro você ganhou por 1.000 visualizações de vídeo” e se baseia em diversas fontes de receita, incluindo “anúncios, Apoio ao canal, receita do YouTube Premium, Super Chat e Super Stickers”.

O RPM é focado no criador em vez do anunciante e possui outras peculiaridades: ele considera o total de visualizações de vídeo do canal, incluindo o conteúdo não rentabilizado, e é obtido somente após a partilha de receita do YouTube, que cobra 45% de comissão sobre o faturamento com publicidade. Por isso, a tendência é que o RPM seja menor que o CPM.

O CPM continuará sendo exibido aos criadores de conteúdo, já que é útil para entender quanto os anunciantes estão pagando para aparecer nos vídeos. Esse valor pode ser menor ou maior dependendo da época do ano, do público que está visualizando os conteúdos, dos temas abordados pelo canal e dos formatos de publicidade que o vídeo exibe.

A nova métrica já está disponível no YouTube Analytics, dentro do YouTube Studio.

Fonte: Tecnoblog

Você pode gostar...